Menu
Justamente
Entrar Criar site

Quais são as restrições para atendimentos online na advocacia: entenda

Equipe Justamente 12/05/22

Os atendimentos online já são realidade na advocacia. Nesse sentido, os clientes não precisam necessariamente comparecer aos escritórios para receber consultorias.

Entretanto, os advogados devem respeitar as regras impostas pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para fazer os atendimentos virtuais.

No cotidiano, os especialistas também têm de se atentar aos métodos de abordagem para chegar até os clientes, porque também há regras para essas práticas. Saiba mais sobre as restrições nos atendimentos online na advocacia.

O que advogados devem evitar nos atendimentos online com clientes?

Os advogados estão liberados para fazer atendimentos online e orientar clientes. No entanto, os profissionais precisam respeitar as normas determinadas pela OAB.

Existem dois documentos principais que apresentam pontos sobre os atendimentos: o Provimento 205/2021 e o Código de Ética e Disciplina da OAB (CED).

O primeiro está relacionado diretamente às ações de marketing jurídico e traz pontos sobre a abordagem de clientes. O segundo, por sua vez, indica os critérios éticos obrigatórios da profissão.

Veja abaixo quais pontos os advogados precisam evitar nos atendimentos online para evitar penalizações.

1. Atendimentos online via comentários nas redes sociais

Os advogados que têm perfis nas redes sociais e no YouTube podem interagir com seguidores, mas é necessário evitar respostas relacionadas a dúvidas jurídicas.

É comum vermos que, nos comentários das redes sociais, os seguidores costumam interagir e fazer perguntas. Mas os advogados não devem respondê-las como uma consultoria.

Nesses casos, os profissionais podem solicitar que o seguidor com determinada dúvida encaminhe maiores detalhes por meio do site. Assim, os advogados respondem com a devida privacidade e fazem o atendimento online.

Em algumas situações, as dúvidas podem ser simples e respondidas de forma breve. Recomenda-se que os advogados avaliem a questão e analisem a possibilidade de resposta pelos comentários.

Advogados podem fazer esclarecimentos por chat ou direct?

De acordo com o Provimento 205/2021, os meios de comunicação do escritório, como o chat de redes sociais, são equiparados ao e-mail. Por isso, espera-se que os advogados sigam os critérios éticos, de sobriedade e discrição presentes na profissão.

As perguntas podem ser respondidas, desde que os advogados reservem um atendimento posterior com maior atenção aos clientes.

Além disso, espera-se que seja mantido o caráter informativo na interação pela plataforma. O Provimento ainda permite que os advogados usem chatbots, como veremos mais à frente, para aprimorar a comunicação com clientes.

2. Menções públicas a custos de honorários e formas de pagamento

Entre as principais regras do marketing jurídico está a proibição de mencionar valores de honorários durante as ações. Isso deve ser feito dentro dos padrões de privacidade.

Segundo o CED da OAB, a advocacia é incompatível com atividades de mercantilização. Logo, os serviços jurídicos não podem ser anunciados como produtos nos canais de comunicação.

Dessa forma, os advogados não têm de informar valores nos conteúdos e sites. Outro cuidado fundamental é não utilizar jargões ou orações persuasivas.

As formas de pagamentos entram nessa regra. Por isso, os escritórios e advogados devem acertar contas em um canal privado de comunicação, online ou no local de atendimento físico.

3. Prometer resultados nos conteúdos divulgados

Mesmo com certa experiência no mercado, os advogados não podem prometer resultados sobre serviços para os clientes. Isso não é liberado, tanto nas redes sociais, como no relacionamento privado.

Espera-se que os profissionais respondam, com sinceridade e profissionalismo, sobre os riscos presentes nos processos e solicitações. Além disso, a OAB veta a utilização de casos concretos anteriores para ofertar os serviços jurídicos.

Os advogados são proibidos de promover os serviços elencando a estrutura física do escritório, assim como publicidades relacionadas a bens ganhos com o exercício da advocacia.

4. Usar aplicativos de forma indiscriminada para responder consultas

Os advogados não devem utilizar plataformas para responder o público de forma indiscriminada. Ou seja, por meio de aplicativos, programar respostas e comandos para possíveis perguntas.

Os profissionais também estão proibidos de utilizar esses meios programados para suprir a imagem, o poder decisório e suas responsabilidades. Isso caracteriza a mercantilização dos serviços jurídicos.

Por essas razões citadas, os advogados precisam prestar atendimentos reservados, onde a privacidade e o sigilo prevaleçam para os clientes.

Como advogados devem fazer atendimentos online?

Depois de conhecer as restrições relacionadas aos atendimentos virtuais dos advogados, é essencial entender quais pontos são liberados para os profissionais na relação com clientes.

Assim como as restrições, os métodos liberados estão presentes no CED e no Provimento 205/2021 desenvolvidos pela OAB. Ambos apresentam, com detalhes, como fazer as consultorias dentro dos padrões éticos.

Veja abaixo e saiba quais soluções podem aprimorar o atendimento do escritório.

1. Atendimentos online via chatbot

Os chatbots são soluções desenvolvidas com inteligência artificial para interagir com clientes e interessados. Dessa forma, a ferramenta auxilia nos atendimentos, deixando-os com maior naturalidade.

Os advogados podem usar o chatbot para responder questões no site, mas a ferramenta deve apenas melhorar a comunicação e a prestação de serviços.

Como dissemos anteriormente, o uso de plataformas para responder clientes de maneira indiscriminada, suprir imagens e responsabilidades do profissional é proibido.

De acordo com o Provimento 205/2021, a utilização do chatbot pelos profissionais pode ser feita, para responder dúvidas iniciais ou coletar dados de clientes, mediante autorização.

Na prática, os chatbots têm o objetivo de aprimorar a comunicação e a prestação de serviços.

2. Relacionamento por WhatsApp

O WhatsApp é uma opção para que advogados se comuniquem com clientes. Desse modo, a integração com o aplicativo pode ser feita no site jurídico. Uma segunda opção é inserir o número em cartões de visita e nos demais materiais.

No cotidiano, os escritórios são liberados para montar grupos no aplicativo. Mas, os componentes que integram a conversa já devem ter um relacionamento prévio com o advogado ou o escritório.

Outro detalhe essencial está nos conteúdos presentes nas mensagens. Em resumo, o uso do WhatsApp deve, obrigatoriamente, respeitar o Código de Ética e Disciplina e o Provimento da OAB.

3. Chamadas de vídeo

As chamadas de vídeos facilitam os atendimentos online na advocacia, principalmente dos escritórios menores que ainda não possuem locais de atendimento.

Os escritórios digitais estão entre as tendências da advocacia. Ou seja, ao invés de comparecer até um local para receber atendimentos, a consultoria é feita diretamente por chamada de vídeo.

Nesses casos, os advogados precisam agendar horários com os clientes para esclarecer pontos sobre processos e a consultoria. Além disso, é necessário escolher um local sem ruídos e cômodo para fazer os atendimentos.

Colaboradores do escritório podem abordar pessoas em vias públicas?

Não. A prática de abordar indivíduos nas ruas e entregar cartões de visita, por exemplo, não deve ser feita por advogados e escritórios. A entrega irregular dos materiais pode gerar penalizações.

Vale lembrar que a advocacia não é uma atividade comercial. Portanto, o oferecimento explícito de serviços jurídicos não pode ser realizado pelos profissionais.

A entrega de cartões de visita deve ser feita mediante o pedido de colegas e interessados. Saiba mais!

Crie um site jurídico e mantenha relacionamentos com clientes!

No site jurídico, os advogados têm de pensar na configuração de ferramentas de contato para que os possíveis clientes possam enviar mensagens.

A implementação de ferramentas para facilitar o envio de mensagens pode ser feita de diversas formas. Os advogados podem inserir uma página de contato no site ou, se preferir, colocar um botão de contato para o WhatsApp.

Nos sites criados com a Justamente, os advogados conseguem receber mensagens pelo próprio site e integrar o WhatsApp para receber contatos. E o melhor: essas funcionalidades são gratuitas.

Para começar, faça um cadastro com e-mail e senha. Em seguida, inclua informações do escritório, como os números de contato e o WhatsApp. Por último, escolha o tema e as cores do site. Conheça o processo completo.

Em caso de dúvidas sobre a criação do seu site jurídico, entre em contato conosco pelo WhatsApp, (11) 95647-8227, ou escreva para [email protected]

Veja também!