Menu
Justamente
Entrar Criar site

Podcast no marketing jurídico: quais as regras para gravar programas?

Equipe Justamente 13/04/22

O podcast está na rotina do público, e os advogados podem utilizar o material no marketing jurídico. De acordo com a área de atuação, os profissionais podem gravar programas e divulgá-los nas plataformas de áudio.

Entretanto, a criação do material costuma gerar dúvidas em advogados, já que a publicidade jurídica possui regras específicas. O conteúdo do podcast, por sua vez, deve abranger pontos das áreas de atuação do advogado.

Em resumo, os advogados não podem oferecer serviços jurídicos de forma explícita. Cabe aos conteúdos serem informativos e educativos. Conheça mais sobre as regras do marketing jurídico que afetam a criação de podcasts.

Advogados podem gravar e participar de podcasts?

Sim, os profissionais da área jurídica têm liberdade para participar e gravar programas. Os advogados podem atuar tanto como apresentadores quanto convidados do podcast.

No entanto, vale reforçar que os advogados não podem fazer propaganda dos serviços jurídicos na gravação. O Provimento 205/2021 da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) orienta que os advogados divulguem apenas conteúdos informativos e educativos.

Além disso, os profissionais da área jurídica não devem, em hipótese alguma, fazer pagamentos para participar do programa ou comprar prêmios e pontos de destaque com objetivo de obter visibilidade.

Na gravação do podcast, os advogados precisam evitar a menção de valores de honorários e formas de pagamento. Todavia, é fundamental respeitar a discrição e a sobriedade presentes na advocacia durante as gravações.

Por fim, a participação no podcast não pode conter sinais de mercantilização ou captação de clientela. Os advogados e escritórios também são proibidos de comentar resultados processuais e casos concretos.

Respeitando as normas presentes no Provimento e no Código de Ética e Disciplina da OAB, a participação dos advogados em podcasts é liberada.

Por que criar podcasts no marketing jurídico?

Agora que você conhece as limitações presentes no podcast para advogados, é importante entender os motivos para investir na gravação dos conteúdos. Antes de tudo, você pode enriquecer ainda mais o marketing de conteúdo jurídico.

Entre as outras vantagens dos podcasts jurídicos estão a fácil disponibilização dos conteúdos e a chance de fidelizar o público. Confira!

1. Consumo acessível do podcast

O podcast é um arquivo de áudio que fica disponível para ser ouvido em diversas plataformas. Como os usuários conseguem acessar os tocadores gratuitamente, o consumo de episódios é feito com certa facilidade.

Hoje, as pessoas consomem podcasts no caminho do trabalho, durante tarefas do dia a dia ou nos horários livres. Por isso, o desenvolvimento do material flexibiliza o acesso aos conteúdos jurídicos.

Alguns influenciadores realizam, junto com a gravação do áudio, a captura do vídeo e publicam trechos no YouTube e nas redes sociais. Desse modo, é possível trabalhar com outros formatos de conteúdo e atender o público de forma completa.

Muito além do áudio, o podcast é um material acessível para o público e precisa ser considerado no marketing jurídico. Entretanto, fique atento aos custos para editar o conteúdo e fazer a publicação no streamings de áudio.

2. Divulgação de conteúdo rico

Com rotinas intensas, algumas pessoas não têm o tempo adequado para ler e assistir materiais que possam orientá-las da forma correta sobre assuntos jurídicos.

Nesse sentido, a produção do podcast jurídico contribui para a reunião de conhecimentos relevantes, que possam ser ouvidos a qualquer hora pelos interessados.

Na elaboração do roteiro do podcast, sempre considere a utilização de fontes confiáveis de informação e dos conhecimentos adquiridos na própria formação. Assim, os episódios do programa terão uma qualidade ainda maior.

A experiência presente nos podcasts garante que, mesmo sem assistir o material, os ouvintes conseguem entendê-lo a fundo. Além disso, a edição possui recursos para facilitar o entendimento do tema abordado.

3. Formato dinâmico para o público

O podcast permite que os advogados falem sobre assuntos de forma dinâmica, sem ficar restrito a formatos fixos. Ou seja, eles podem gravar episódios com colegas do escritório ou demais convidados.

Em resumo, os episódios não precisam seguir um único padrão de roteiro. Os profissionais têm total liberdade de explorar novos formatos a cada programa. É essencial observar o que trará dinamismo ao podcast.

O formato de entrevista, por exemplo, é utilizado com frequência pelos criadores. Nele, um apresentador, que pode ser o próprio advogado, realiza perguntas para o entrevistado sobre um determinado tema.

Para começar as gravações, o advogado pode convidar colegas que atuam em outras áreas do Direito e esclarecer dúvidas que cercam determinado segmento.

Geralmente, os podcasts contam com mais de um apresentador ou, em outros casos, há sempre um convidado. Dessa forma, prefira gravar um programa ao lado de colegas para enriquecer o bate-papo.

4. Ideal para fidelizar o público-alvo

O podcast é um conteúdo segmentado e desenvolvido para uma parte específica do público, que costuma acompanhar episódios com frequência. Por isso, os advogados têm chances de fidelizar os ouvintes com os programas.

Antes de iniciar as gravações do podcast jurídico, os advogados precisam considerar o público-alvo do escritório. A partir disso, criar a abordagem correta sobre o assunto que contemple-o de forma completa.

Nessa etapa, os profissionais devem considerar a persona do escritório para desenvolver a comunicação, não apenas do podcast, mas também dos demais conteúdos, como os artigos de blogs.

Após a publicação do podcast nas plataformas, os escritórios e advogados podem publicar trechos dos episódios nas redes sociais. Assim, o público também pode ser atraído para escutar os episódios.

5. Edição menos complexa

Quando comparado aos vídeos, os podcasts jurídicos têm uma edição relativamente menos complexa. Com ferramentas de áudio, a construção de episódios pode ser feita pelo próprio advogado.

Existem softwares de edição de áudio que facilitam a produção dos programas. O Audacity, por exemplo, é uma opção para iniciantes e oferece recursos básicos, como efeitos e captura de narração.

Além disso, existem outras ferramentas gratuitas, como o GarageBand, e pagas, incluindo o Adobe Audition e o WaveLab10. Considere o orçamento do escritório e o tempo de edição para escolher a ferramenta.

Contudo, os advogados conseguem editar podcasts jurídicos com certa facilidade. Mas, em caso de dúvidas, os serviços de especialistas em edição podem ser úteis para desenvolver os programas.

Como incluir o podcast jurídico no site jurídico?

Os podcasts também podem ser divulgados no site jurídico e ampliar a audiência nas plataformas de áudio. Um caminho é incluir o link do programa em artigos disponíveis no blog que abordem o tema do programa.

A partir disso, o leitor consegue saber mais sobre o assunto, mas também ouvir o conteúdo. Ainda não possui um site jurídico para divulgar os serviços online?

Com a Justamente, você cria um site em até 5 minutos para o seu escritório de advocacia. É rápido, fácil e os advogados não precisam pagar para ter página.

Para começar, faça um cadastro com e-mail e senha. Em seguida, insira informações do escritório de advocacia, como as áreas de atuação. Por fim, escolha temas, cores e fontes. Confira o passo a passo.

Caso queira publicar artigos ilimitados, conheça o JusPremium e aprimore ainda mais o site jurídico.

Em caso de dúvidas sobre a criação de sites com a Justamente, entre em contato conosco pelo WhatsApp, (11) 95647-8227, ou escreva para [email protected]

Veja também!