Menu
Justamente
Entrar Criar site

Os 10 maiores erros no marketing jurídico: o que evitar na sua estratégia

Equipe Justamente 08/03/22

No marketing jurídico, algumas estratégias são fundamentais para que você, advogado, tenha os resultados esperados. Porém, alguns erros também podem ser cometidos, o que pode prejudicar o seu desempenho e, até mesmo, trazer prejuízos financeiros para o seu escritório.

Neste caso, é possível considerar práticas que têm o efeito contrário no seu marketing digital, assim como a não aplicação das práticas necessárias. Nos dois cenários, seu investimento pode ser perdido, o que não motiva nenhum profissional.

Para manter suas estratégias sempre assertivas, confira nesta matéria os 10 maiores erros no marketing jurídico e fique atento para não cometê-los ou mudar suas técnicas atuais.

Erros no marketing jurídico: 10 práticas para você evitar

1. Não se atentar às normas da OAB

A publicidade jurídica não deve e não pode ser igual à publicidade utilizada em outras atividades profissionais. A Ordem dos Advogados do Brasil possui normas específicas quanto à divulgação dos escritórios e profissionais do Direito, e, se não seguidas, podem resultar em penalidades da instituição.

De acordo com o Código de Ética e Disciplina e com o Provimento 205/2021 da OAB, a publicidade utilizada pelo advogado deve ser meramente informativa, prezando pela discrição e sobriedade, e sem configurar captação de clientela ou mercantilização da profissão.

Há, ainda, outras práticas proibidas, como:

Portanto, qualquer conteúdo divulgado que não respeite essas regras pode gerar riscos para você e seu site, rede social ou qualquer outra estratégia que você tenha realizado.

O ideal é produzir conteúdos em formatos permitidos, com a abordagem permitida, sempre recorrendo às normas da instituição quando necessário.

Em nosso blog, você pode saber mais sobre o Código de Ética e Disciplina e sobre o Provimento 205/2021.

2. Não falar a língua do seu público-alvo

Transmitir uma mensagem em uma linguagem considerada difícil pelo seu público-alvo também é um dos erros que podem estar presentes no marketing jurídico.

É comum que o vocabulário jurídico seja repleto de expressões técnicas e palavras relacionadas à profissão. O uso de tais expressões e palavras não é errado, porém, pode dificultar o visitante em sua leitura, que pode desistir de ler seu conteúdo por não estar entendendo.

Para que isso não aconteça, vale a pena abrir mão do juridiquês e usar uma linguagem mais simples, a qual as pessoas leigas também possam compreender. Na necessidade de usar uma expressão técnica, não deixe de explicá-la para que fique tudo claro para o seu leitor.

3. Exagerar no uso da palavra-chave

O uso de determinada palavra-chave nos seus artigos e demais publicações é fundamental para que eles sejam encontrados a partir de uma busca. Porém, quando esse uso é exagerado, pode até mesmo prejudicar a imagem que o Google e demais buscadores têm de você.

Nas suas produções, utilize a palavra-chave central, assim como suas variações e expressões relacionadas. Ao utilizar ferramentas como o Google Keyword Planner e o SEMrush nesta etapa, não se esqueça de pesquisar, também, as perguntas relacionadas para incluí-las no seu material, se for o caso.

Com os termos já reunidos, coloque-os no seu conteúdo sempre que necessário. Evite muitas repetições, pois isso pode atrapalhar a leitura e deixar seu artigo superficial. É verdade que a palavra-chave deve estar no texto mais de uma vez, porém, exageros não são uma boa ideia.

4. Não utilizar as plataformas adequadas

Ao investir no seu marketing jurídico, é necessário estar presente nas plataformas utilizadas pelo seu público-alvo, para que, assim, você seja encontrado por quem precisa dos seus serviços.

Neste caso, utilizar apenas uma plataforma ou canais utilizados por advogados e não pelo público-alvo é um erro, já que você não conseguirá atingir as pessoas que deseja.

Procure saber em quais plataformas as pessoas que podem se interessar pelos seus serviços estão presentes, e utilize-as para oferecer seus conteúdos. Lembre-se que a sua prioridade é ser visto por potenciais clientes, e não por outros advogados.

5. Não ter um site adequado à LGPD

A LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) regulamenta o tratamento que empresas e órgãos públicos dão aos dados pessoais de seus clientes e demais usuários, buscando proteger a liberdade e a privacidade dos consumidores.

No caso do seu site, é possível que você solicite alguns dados dos seus visitantes para enviar-lhes algum tipo de material, como um ebook, newsletter, entre outros.

A partir dessa coleta, os dados devem ser cuidados e protegidos com a máxima cautela. Assim, é necessário que você tenha o consentimento dos seus visitantes para guardar os dados por eles fornecidos, assim como sobre o que será feito com tais informações.

Não aplicar a LGPD em seu site é um dos principais erros no marketing jurídico, pois além de poder ferir a privacidade de seus clientes e usuários, há ainda penalidades mais sérias para o dono do site, como uma multa que pode chegar a até 2% do faturamento anual do profissional.

Para não cometer esse erro, saiba mais sobre a LGPD e entenda o que fazer na sua página online para que ela siga os parâmetros necessários.

6. Não interagir com seus seguidores

Ao estar presente nas redes sociais, seus seguidores têm liberdade para reagir às suas publicações. Você pode receber curtidas e ter seus conteúdos compartilhados, porém, é preciso ficar atento aos comentários.

Assim como há comentários que não necessitam de respostas, há os de pessoas interessadas nos seus serviços, que, sim, precisam de um retorno seu. Neste caso, é importante que o seu retorno não demore muito, para que você realmente conquiste o cliente.

Você pode, inclusive, responder no próprio espaço de comentários, ou, dependendo do assunto, pedir para que a pessoa entre em contato com você por mensagem direta ou por outro meio de contato.

O mesmo acontece quando você habilita o campo de comentários no seu site. Na presença de alguma questão de um leitor em um artigo, por exemplo, dê o devido retorno, pois isso pode influenciar a decisão de contratação.

Apenas lembre-se de não responder de modo a criar uma espécie de “consulta online”, pois isso é proibido pela OAB. Um exemplo disso são várias respostas a um mesmo cliente.

7. Não investir nas técnicas de SEO

Mais uma prática entre os erros no marketing jurídico é a não aplicação das técnicas de SEO nos seus materiais. Em português, SEO significa Otimização para Mecanismos de Pesquisa, e abrange práticas para que seu site seja encontrado mais facilmente nos buscadores.

São várias as técnicas de SEO que podem e devem estar presentes no seu site e demais plataforma. Elas vão desde a otimização da página em si, como a responsividade, até melhorias nos conteúdos produzidos.

Um site ou perfil em rede social que não possui práticas de SEO aplicadas ainda podem ser encontrados, porém, com mais dificuldade. Neste caso, se o seu objetivo é conquistar clientes por meio de seu marketing digital, ser encontrado mais facilmente deve ser uma das suas prioridades.

Nesta matéria, saiba mais sobre o SEO e veja o que aplicar no seu site para que ele tenha um bom desempenho.

8. Produzir conteúdos superficiais

Uma das áreas do marketing digital é o marketing de conteúdo. Ele consiste na produção de conteúdos relevantes, que atraiam os leitores de acordo com suas necessidades, e o convençam a entrar em contato com o profissional e fechar negócio.

Assim como um artigo completo, com informações verdadeiras e relevantes pode trazer mais leitores ao seu site e, futuramente, transformá-los em clientes, conteúdos superficiais, incompletos e mal estruturados podem afastar os visitantes.

Não produza por produzir, seja uma matéria no seu blog, um post em uma rede social ou um vídeo no YouTube. Produza com empenho, concentrando-se em oferecer um bom conteúdo, que instrua e eduque o seu leitor.

Veja aqui algumas dicas para planejar o seu marketing de conteúdos jurídicos.

9. Não acompanhar seus resultados

O marketing jurídico é uma estratégia que envolve várias práticas e técnicas para que o seu escritório seja mais conhecido e conquiste mais clientes. Aqui, um erro é não acompanhar os resultados de todos os seus investimentos, pois assim você não sabe o que tem dado certo e o que tem dado errado.

Três ferramentas que podem te ajudar a ver os seus resultados de marketing são o Google Analytics, o Google Search Console e o SEMrush.

A primeira permite que você faça o monitoramento do seu site, tendo acesso a informações sobre o seu tráfego, como visitas, tempo de permanência, taxa de rejeição, de onde vêm os acessos e em quais horários.

De forma semelhante, o Google Search Console te ajuda a monitorar a presença do seu site no Google, sabendo se ele está sendo rastreado (identificado pelo buscador) e se está aparecendo nas páginas de resultados, além de visualizar possíveis problemas que estejam afetando o seu posicionamento no buscador, informações sobre o tráfego, entre outras.

O SEMrush, por sua vez, te dá dicas para conseguir um melhor desempenho com seu site, e também avalia a saúde da sua página online. É possível identificar os possíveis problemas que afetam o desempenho do site e ter dicas práticas de SEO.

10. Não ter um site jurídico

Por fim, outro dos maiores erros no marketing jurídico é a ausência de um site profissional para divulgar seu escritório.

Por mais que você faça publicações nos seus perfis do Facebook, Instagram e LinkedIn, e publique vídeos no seu canal no YouTube, ter um site passa ainda mais confiança para um potencial cliente.

A aposta nas redes sociais é, sim, válida, porém, não deve ser isolada. O site jurídico é o melhor ambiente digital para que você disponibilize todas as informações mais relevantes sobre o seu escritório e, ainda, ofereça artigos e outros tipos de materiais para seus visitantes.

Além disso, ele é uma das melhores formas de você ser encontrado. Por mais que muitas pessoas façam pesquisas nas redes sociais, a maioria das faz suas buscas no Google. Neste caso, seu site pode aparecer nos resultados com uma landing page, um artigo, ou ainda outras páginas existentes nele.

Ainda não tem um site para o seu escritório?

Como vimos no tópico anterior, ter um site para o seu escritório é uma das principais estratégias para aplicar no seu marketing jurídico.

É por meio da página online que você pode disponibilizar aos seus visitantes as informações mais importantes sobre o seu negócio e conteúdos relevantes e informativos.

Apesar dessa importância, a criação de um site pode exigir muito tempo, trabalho ou dinheiro, o que pode ser um obstáculo. Sabendo disso, a Justamente permite que você faça o site profissional do seu escritório em menos de 5 minutos e, o melhor, sem pagar nada por isso.

Somos uma plataforma gratuita de criação de sites, pensada por advogados e para advogados. Os sites oferecidos são feitos por programadores, web designers e desenvolvedores, o que garante total profissionalismo à página criada.

Para fazer o seu, faça um cadastro com um e-mail e senha e responda algumas perguntas sobre o seu escritório, como áreas de atuação e serviços prestados. Para finalizar, escolha o tema com cor e fonte, que podem ser alterados a qualquer momento. Veja um passo a passo detalhado deste processo nesta matéria!

Feito isso, seu site estará pronto e você já poderá divulgá-lo para seus clientes, amigos e familiares, além de colocá-lo na sua assinatura de e-mail, cartão de visitas e outros materiais.

Ainda tem dúvidas sobre como podemos te ajudar na criação do seu site jurídico? Entre em contato conosco pelo WhatsApp, (11) 95647-8227, ou escreva para [email protected]

Veja também!