Menu
Justamente
Entrar Criar site

Mídia orgânica para advogados: vale a pena investir?

Equipe Justamente 21/03/22

Mídia orgânica é aquela que não exige nenhum tipo de investimento financeiro para ser veiculada. Trata-se de formas de divulgação gratuitas, onde as visitas recebidas são espontâneas.

Para os advogados, a mídia orgânica é uma excelente alternativa para atrair mais visitantes e transformá-los em potenciais clientes. E, para isso, existem várias opções para aplicar no marketing jurídico.

A seguir, entenda mais sobre como funciona a mídia orgânica e saiba como os advogados podem incluí-la no marketing digital de seus escritórios.

O que é mídia orgânica?

A mídia orgânica é aquela responsável por trazer tráfego orgânico ao seu site ou rede social. Ela é gratuita – os únicos investimentos que podem estar envolvidos são com material para desenvolvimento, pessoal para elaborar, entre outros.

Sendo assim, são formas gratuitas de divulgar seu escritório. Fazem parte do inbound marketing, o marketing de atração. Ao invés de encontrar os leitores, a mídia orgânica é encontrada pelos usuários.

Neste caso, algumas técnicas são necessárias para que a mídia produzida por você ganhe relevância e seja encontrada com mais facilidade pelo seu público-alvo.

Advogados podem investir em mídia orgânica?

A mídia orgânica é uma das principais formas que os advogados têm para divulgarem seus respectivos escritórios.

De acordo com o Código de Ética e Disciplina da OAB e com o Provimento 205/2021 (que dispõe exclusivamente sobre a publicidade na advocacia), a mídia orgânica é vista como publicidade passiva, definida pelo último documento como “divulgação capaz de atingir somente público certo que tenha buscado informações acerca do anunciante ou dos temas anunciados, bem como por aqueles que concordem previamente com o recebimento do anúncio”.

Além disso, o provimento também traz o conceito de marketing de conteúdos jurídicos como “estratégia de marketing que se utiliza da criação e da divulgação de conteúdos jurídicos, disponibilizados por meio de ferramentas de comunicação, voltada para informar o público e para a consolidação profissional do(a) advogado(a) ou escritório de advocacia”.

Acabando com as dúvidas, no Art. 4º, o documento permite a utilização da publicidade passiva no marketing de conteúdos, desde que não haja a mercantilização da profissão e não configure captação de clientela.

Desta forma, as normas da OAB liberam expressamente a utilização da mídia orgânica como estratégia no marketing jurídico, mas com algumas ressalvas.

Ainda segundo o provimento, a publicidade jurídica deve ser meramente informativa, prezando pela discrição e sobriedade. A partir disso, algumas práticas são proibidas, como:

Sendo assim, os advogados têm total liberdade para utilizarem os tipos de mídia orgânica disponíveis, desde que respeitando as normas da instituição máxima.

Qual tipo de mídia orgânica utilizar no marketing jurídico?

A seguir, confira os principais tipos de mídia que podem te trazer tráfego orgânico e aumentar a visibilidade do seu escritório.

1. Marketing de conteúdo no site jurídico

O marketing de conteúdos jurídicos no site do seu escritório é uma das principais estratégias que você pode aplicar no seu marketing digital. A partir dele, você pode indexar e ranquear páginas no Google (ou seja, ter suas páginas de artigos reconhecidas e posicionadas no Google) e, além de consolidar sua presença online, construir, aos poucos, sua autoridade, se tornando uma referência na sua área.

É possível abordar diferentes temas, desde que sejam relevantes para o seu público-alvo e relacionados à sua área de atuação e serviços prestados.

Como aplicar o marketing de conteúdo no site do meu escritório?

O primeiro passo para desenvolver o marketing de conteúdos jurídicos no seu site é ter uma parte de blog na sua página online. Assim, desenvolva os conteúdos de acordo com o que pode interessar seu público e com a sua área de atuação.

Ao selecionar os temas que você pretende abordar em seu blog jurídico, saiba quais são as principais palavras-chave relacionadas a eles, sabendo, também, qual o volume de busca de cada uma.

Nesta etapa, é possível contar com o auxílio de ferramentas úteis, como o Google Keywords Planner, que é gratuito, e o SEMrush, que é pago. É possível usar também o Google Trends, que te mostra quais são os termos mais pesquisados.

Com isso em mente, dê início à sua produção. É importante que seu artigo seja completo, original e de valor para o seu público. Não escreva por escrever, dando espaço à superficialidade.

Em vez disso, escreva para realmente informar e educar seus potenciais clientes, demonstrando-lhes autoridade no que você fala.

Não deixe de conferir nosso guia completo de como planejar o seu marketing de conteúdo e 7 dicas para colocá-lo em prática, inclusive sobre as técnicas de SEO.

2. Conteúdos em redes sociais

As redes sociais são grandes aliadas no marketing digital em qualquer negócio. Atualmente, tais plataformas acumulam mais de bilhões de usuários, o que significa que são excelentes espaços para divulgar o seu trabalho e encontrar alguém que esteja precisando dos seus serviços.

As redes sociais são gratuitas. Para utilizá-las, basta criar um perfil – de preferência uma conta profissional – e planejar os conteúdos que serão compartilhados.

Como produzir para as redes sociais?

Há diferentes redes sociais e, com isso, diferentes formatos de conteúdos nos quais você pode investir. No Instagram, por exemplo, você pode publicar imagens isoladas ou em conjunto (carrossel), vídeos maiores (IGTV) ou menores (reels), stories e lives.

No Facebook, os formatos não são muito diferentes. Poste imagens únicas ou em conjunto, vídeos maiores ou menores, stories ou lives. Além disso, você também pode postar conteúdos inteiramente em texto, sem nenhum tipo de ilustração.

Já no LinkedIn, a rede social profissional, é possível postar fotos únicas ou várias em uma mesma publicação, vídeos e textos, enquanto no TikTok só é possível postar vídeos curtos, de 15 a 60 segundos.

Sabendo disso, alguns cuidados também são necessários. Nas redes sociais, onde a maioria das pessoas buscam entretenimento e distração, grandes textos podem não ser atrativos.

Neste caso, seja sucinto e objetivo. Você pode, inclusive, explicar de forma resumida um assunto importante, e guiar seu seguidor até o seu site, onde terá um artigo mais completo sobre o tema.

Outro cuidado é com relação às imagens utilizadas. O marketing jurídico deve ser discreto. Portanto, fique longe de ilustrações que não tenham a ver com o assunto, e cores muito chamativas e vibrantes. Imagens e tons mais neutros podem ser soluções melhores.

Por fim, procure saber em quais redes sociais seu público está presente para que seus conteúdos sejam, de fato, encontrados. Ao investir tempo em uma plataforma cujo público é composto em sua maioria por pessoas que dificilmente terão interesse nos seus serviços, seu esforço pode ser em vão, ao mesmo tempo em que ele poderia estar direcionado à plataforma correta e te trazer mais resultados.

Para saber mais sobre como produzir um marketing de conteúdos jurídicos para as suas redes sociais, veja esta matéria repleta de dicas!

3. Google Meu Negócio

O Google Meu Negócio é mais um tipo de mídia orgânica que pode ser utilizada por advogados e que tem um grande potencial de levar clientes até o seu escritório.

A plataforma do Google é totalmente gratuita e permite que o seu escritório apareça na primeira página do buscador, assim como no Google Maps.

Na prática, você cadastra o seu escritório na plataforma, informa o nome, endereço, meios de contato, horários de atendimento e outros dados relevantes, e aparece como um possível resultado a partir de uma pesquisa.

Pessoas que fizerem uma pesquisa utilizando o nome do seu escritório, por exemplo, poderão ver ao lado direito da tela os dados sobre o seu escritório, incluindo seu site, rotas, perguntas e respostas, e avaliações.

Como usar o Google Meu Negócio?

Para utilizar essa plataforma, é preciso ter uma conta no Google. Acesse o site do Google Meu Negócio e clique em “Gerenciar agora”.

Ao fazer o login, coloque o nome do seu escritório. Se sua empresa já estiver cadastrada na ferramenta, o nome dela irá aparecer. Caso contrário, clique em “Inclua sua empresa no Google”.

Preencha os campos com as informações necessárias, como nome do escritório, categoria, endereço, telefone e site. Em seguida, o Google pedirá uma confirmação de endereço. Assim, ele enviará uma carta para o endereço cadastrado.

Recebendo o documento, siga os passos nele inscritos para ativar sua conta. Desta forma, você já poderá gerenciar e editar as informações do seu negócio, inserindo dias e horários de atendimento, áreas de atuação, descrição do escritório, imagens, entre outras.

4. Canal no YouTube

Investir em um canal no YouTube para atrair mais clientes é outra escolha que vale a pena. Pelo seu canal, você pode compartilhar vídeos mais curtos ou mais longos, sobre assuntos diversos relacionados à sua área de atuação.

Assim como o desenvolvimento do marketing de conteúdo em artigos no seu blog e em publicações nas redes sociais são interessantes para o seu marketing digital, os vídeos também são ótimas ferramentas para atrair as pessoas, principalmente aquelas que não têm muito tempo para a leitura, ou que simplesmente preferem conteúdos neste formato.

Em um vídeo, você pode abordar um assunto com mais profundidade, se expressando melhor e, talvez, sendo melhor compreendido pelo seu público.

Os vídeos já são o formato mais consumido no mundo. Além disso, muitas pessoas já utilizam o YouTube como um mecanismo de pesquisa, buscando as respostas para suas dúvidas especificamente em forma de vídeo.

Como criar um canal no YouTube?

Para criar um canal no YouTube, acesse o site da plataforma e clique em “Fazer login”. Feito isso, selecione o menu do usuário, no canto superior direito, e, depois, em “Crie um canal”.

Em seguida, insira o nome que você quer dar ao seu canal, assim como uma foto ou ilustração para ser o seu ícone na plataforma. Depois, clique em “Criar canal” e, assim, selecione “Personalizar o canal” para inserir algumas informações importantes sobre o seu escritório, como uma descrição, e-mail para contato, seu site, entre outras.

Você pode conferir o passo a passo deste processo detalhadamente nesta matéria, assim como dicas para fazer os melhores vídeos para a plataforma.

Com o canal criado e já configurado, resta gravar os vídeos e publicá-los. A princípio, é possível gravar vídeos simples, porém, com uma boa imagem e um bom áudio.

É possível utilizar o seu próprio celular e um fone de ouvido, por exemplo. Se quiser algo mais profissional, invista em um microfone de lapela, para que seu áudio fique ainda melhor.

5. Podcasts

Os podcasts são outra alternativa de mídia orgânica disponível aos advogados que querem atrair ouvintes interessados em assuntos relacionados à sua área de atuação.

A dinâmica do podcast é muito interessante, principalmente para a área do Direito. O formato de bate-papo, por exemplo, pode ser muito esclarecedor para clientes em potencial e que querem saber mais sobre determinado assunto jurídico.

É possível criar um podcast sozinho, com alguns quadros específicos no programa, trazendo novidades jurídicas e explicações mais profundas sobre um tema em especial.

Além disso, você também pode ter o seu podcast com algum colega de profissão, sócio ou trazer convidados especialistas em outras áreas do Direito, deixando seu público ainda mais informado.

Como fazer um podcast?

Para começar, faça um planejamento. É importante que você fale sobre assuntos da sua área, mas que, da mesma forma, seja relevante para os seus ouvintes. Você pode fazer um calendário e definir o tema de cada programa, definindo, também, a frequência das postagens.

Escolha o formato – se fará sozinho, em dupla, ou se terá convidados especiais. Vários podcasts que têm feito sucesso hoje são no formato de bate-papo. Portanto, essa pode ser uma boa opção.

Além disso, dê atenção aos equipamentos que você irá precisar. É importante que você tenha bons microfones e gravadores, um espaço com uma boa acústica, e programas para fazer as edições posteriores e necessárias.

Neste caso, é possível tanto fazer podcasts para plataformas de áudio, apenas, ou filmar a gravação do podcast e publicá-la como vídeo nas plataformas de vídeo.

Algumas plataformas interessantes para você utilizar nessa estratégia são o YouTube, SoundCloud, Spotify, Apple Podcast, entre outras.

6. Materiais ricos

Por fim, o oferecimento de materiais especiais, chamados no marketing digital de “materiais ricos”, envolve um tipo de mídia orgânica que pode ajudar tanto os advogados que investem na estratégia, quanto os visitantes do profissional.

Os materiais ricos são materiais mais completos, que atraem a atenção do seu visitante e que podem alcançar cada vez mais visitas, gerando a fidelização e a conquista de clientes.

Exemplos de materiais ricos que podem estar presentes na sua estratégia de marketing jurídico são ebooks, infográficos, webinars, os próprios podcasts, blog posts e vídeos no YouTube.

Como oferecer materiais ricos?

Os materiais ricos devem ser completos e relevantes, e chamar a atenção de modo especial do seu visitante.

Ao desenvolver um ebook, por exemplo, você pode trazer informações fundamentais sobre determinado assunto, além de detalhes, exemplos próximos à realidade do leitor, e outras coisas que tornem o material didático o suficiente para que haja total compreensão.

Da mesma forma, os infográficos também são excelentes materiais para incluir em conteúdos mais complexos. Por eles, a explicação pode ser mais dinâmica e compreensível, auxiliando o leitor a entender de forma mais fácil um tema não tão simples.

Para fazê-los, você pode unir elementos textuais e visuais e criar algo atrativo. Algumas ferramentas que podem te ajudar nesta tarefa são o Canva, o Figma, o Adobe Photoshop, entre outras. Saiba mais sobre como criar um infográfico para o seu público nesta matéria.

Vale a pena investir em mídia orgânica para advogados?

A mídia orgânica é uma das melhores alternativas para os advogados divulgarem seus escritórios e atraírem mais visitantes e potenciais clientes.

Mesmo que os resultados não venham tão rápido quanto costumam vir na mídia paga, eles duram por mais tempo, e não geram despesas para o seu orçamento.

Por exemplo: um blog post sobre um determinado conteúdo pode demorar um pouco para conseguir boas posições no Google e conquistar vários acessos. Porém, ao alcançar uma boa posição, seus acessos só tendem a multiplicar com o tempo, sem que você tenha que desembolsar alguma quantia para isso.

Além disso, ela também é um ótimo recurso para que você construa sua autoridade. Investindo cada vez mais em mídia orgânica, o próprio Google pode reconhecer sua relevância ao ver que seus visitantes realmente ficam satisfeitos com o seu conteúdo.

Dessa forma, o buscador mais usado no mundo te dá a relevância necessária, o que atrai cada vez mais acessos.

A mídia orgânica é uma estratégia que sim, vale a pena. Porém, é preciso estar ciente de que os resultados não são imediatos. Para acelerá-los, as técnicas de SEO são imprescindíveis.

Lembre-se também de acompanhar seus resultados e fazer as alterações necessárias para melhorar o desempenho do seu compartilhamento de mídia. Há plataformas, como o Google Analytics, o SEMruh e o próprio Meta Business, que permitem que você acompanhe o seu tráfego, suas visualizações e o seu alcance como um todo.

Com paciência e dedicação, o marketing jurídico do seu escritório com mídia orgânica vai crescendo e te trazendo bons resultados.

Qual a relação do site jurídico com a mídia orgânica?

Ao optar pela mídia orgânica como parte da sua estratégia de marketing jurídico, ter um site para o seu escritório é fundamental.

Mesmo que você invista tempo em produções para redes sociais, vídeos no YouTube, podcasts e materiais ricos, publicar artigos em uma página de blog no seu site te dá mais autonomia, reconhecimento e credibilidade, além de permitir que você seja encontrado no Google a partir de pesquisas.

Além disso, ter um site transmite mais confiança e profissionalismo aos usuários. Imagine um potencial cliente que encontrou seu perfil em uma rede social e quer saber mais sobre seus serviços, mas não encontra seu site no Google. A partir disso, ele pode facilmente desistir e procurar outro profissional que tenha uma presença digital e autoridade.

Por essa razão, é fundamental que você tenha uma página online própria e independente, onde você poderá colocar as informações mais importantes sobre o seu negócio, como suas áreas de atuação, serviços prestados, meios de contato, horários de atendimento, endereço físico (se houver), entre outras.

Apesar disso, o desenvolvimento de um site não é uma tarefa tão simples, podendo exigir muito tempo, trabalho e dinheiro. Sabendo disso, a Justamente permite que você faça o site profissional do seu escritório em menos de 5 minutos e, o melhor, sem pagar nada por isso.

Somos uma plataforma gratuita de criação de sites, pensada por advogados e para advogados. Os sites oferecidos são feitos por programadores, web designers e desenvolvedores, o que garante total profissionalismo à página criada.

Para fazer o seu, faça um cadastro com um e-mail e senha e responda algumas perguntas sobre o seu escritório, como áreas de atuação e serviços prestados. Para finalizar, escolha o tema com cor e fonte, que podem ser alterados a qualquer momento. Veja um passo a passo detalhado deste processo nesta matéria!

Feito isso, seu site estará pronto e você já poderá divulgá-lo para seus clientes, amigos e familiares, além de colocá-lo na sua assinatura de e-mail, cartão de visitas e outros materiais.

Ainda tem dúvidas sobre como podemos te ajudar na criação do seu site jurídico? Entre em contato conosco pelo WhatsApp, (11) 95647-8227, ou escreva para [email protected]

Veja também!