Menu
Justamente
Entrar Criar site

Chatbots no marketing jurídico: quais são as regras para utilizar a ferramenta?

Equipe Justamente 18/05/22

Com o avanço da tecnologia, os setores tiveram que investir em novas soluções para aprimorar o relacionamento com clientes. Entre as ferramentas usadas atualmente estão os chatbots, que também ajudam no marketing jurídico e nos outros atendimentos de escritórios.

Em resumo, os chatbots consistem em softwares que recebem comandos para interagir com usuários. A partir de uma pergunta ou mensagem, o sistema libera respostas programadas e mantém o contato com o público.

Existem uma série de vantagens em utilizar os chatbots, mas, no marketing jurídico, é necessário respeitar algumas regras. Veja abaixo as restrições impostas pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para o uso da tecnologia.

Quais são as restrições para usar chatbots no marketing jurídico?

Os advogados podem otimizar os atendimentos com o uso dos chatbots. Assim como é feito por outras áreas, é possível integrar o sistema para responder questionamentos do público em menor tempo.

Entretanto, existem regras específicas que os advogados e escritórios precisam seguir para utilizar o chatbot no cotidiano. Os termos estão presentes no Provimento 205/2021, criado pela OAB para orientar a publicidade jurídica.

De acordo com o documento, a ferramenta deve ter o objetivo de “facilitar a comunicação ou melhorar a prestação de serviços jurídicos”. Além disso, o chatbot não pode se afastar da pessoalidade presente na advocacia.

Outro ponto essencial está no objetivo de usar a plataforma. Os chatbots não devem ser implementados apenas para suprimir a imagem, o poder decisório e as responsabilidades do advogado.

Por esta razão, os profissionais precisam utilizar a plataforma para interagir de forma regular com o público. Os comandos programados ajudam no atendimento, mas não devem caracterizar consultas propriamente ditas.

Ainda, segundo o Provimento, o chatbot pode ser usado para esclarecer dúvidas iniciais de potenciais clientes. Nesse caso, não haverá uma consulta jurídica completa, mas um apoio para o início do atendimento e a apresentação do escritório.

Contudo, a OAB também indica que o chatbot seja utilizado no marketing jurídico para coletar dados e informações. Mas, nesse quesito, os advogados precisam solicitar a autorização dos clientes e seguir as políticas de proteção das informações.

Advogados podem enviar conteúdos para clientes pelo chatbot?

Sim, mas com ressalvas. Os conteúdos e campanhas no marketing jurídico precisam ser unicamente informativos e educativos. Logo, os materiais divulgados devem seguir esses cuidados para evitar penalizações da OAB.

Entre os conteúdos que podem ser encaminhados estão os ebooks, infográficos e guias práticos. Caso os clientes enviem mensagens desejando não receber os itens, é necessário cancelar o envio para o contato em questão.

O chatbot será útil para o seu escritório? Entenda mais sobre a tecnologia e como os advogados podem utilizá-la.

Afinal, o que são chatbots e por que usá-los no marketing jurídico?

Você já deve ter acessado o site de uma empresa e visto um chat nas laterais da página, certo? A ferramenta pode ser um chatbot, sendo configurada para responder perguntas de maneira automática.

Nesse sentido, não há, num primeiro momento, um operador humano respondendo às perguntas. De acordo com possíveis questões enviadas, o chatbot reage com uma resposta pré-programada.

A tecnologia tem sido implementada nas empresas por algumas razões: a personalização do atendimento ao cliente e a possibilidade de melhorar a experiência do público com o negócio.

Os clientes estão exigentes, e o tempo para a resolução de problemas deve ser o menor possível. Com os chatbots implementados, é possível filtrar os atendimentos e direcioná-los para o devido setor.

Na prática, os chatbots funcionam com três elementos fundamentais: o canal, os conteúdos presentes nas mensagens e o software utilizado nas interações.

Com relação ao canal, as empresas podem utilizar o próprio site, o WhatsApp, o Facebook Messenger, entre outros apps de mensagens. O conteúdo, por sua vez, será os textos e respostas programadas. Por fim, o software ficará responsável por reger a conversa.

A implementação dos chatbots no marketing jurídico apresenta diferentes benefícios, como o atendimento a qualquer hora nos 7 dias da semana. Ou seja, o site jurídico pode responder o público automaticamente a qualquer momento.

Nesses casos, os advogados devem promover um atendimento humanizado, que esclareça pontos para o público, mas que também siga as orientações da OAB. Conheça os passos para criar chatbots!

Como criar chatbots no marketing jurídico? Veja 5 passos essenciais

Agora que você já conhece a importância de implementar um chatbot para atender clientes, é necessário observar as etapas para criar a solução e adicioná-la ao escritório.

Veja abaixo como desenvolver e adicionar o chatbot às estratégias de marketing jurídico!

1. Defina um objetivo para o chatbot

Em primeiro lugar, os advogados devem ter uma ideia completa sobre o objetivo da plataforma. Considerando o uso por profissionais da área, é possível adotar a plataforma para ações de marketing e aprimorar o atendimento.

A partir disso, os escritórios e os próprios profissionais devem escolher a tecnologia que desejam utilizar. Vale lembrar que é necessário seguir as recomendações da OAB referentes ao compartilhamento e interações feitas pela plataforma.

2. Considere a tecnologia e o aplicativo que pretende utilizar

No mercado, existem diferentes tipos de chatbots que podem ser implementados em negócios. Os bots podem ser configurados com base em regras, enquanto outros trabalham com inteligência artificial.

De acordo com as necessidades e o orçamento do escritório, escolha a opção que irá atender às demandas exigidas nos atendimentos. Dependendo do volume de atendimentos, uma opção simples de chat já será útil no dia a dia.

Uma segunda etapa necessária é selecionar o aplicativo de mensagens adequado para interagir com os usuários. Hoje, já existem opções para integrar chatbots para os principais apps, como o WhatsApp e o Facebook Messenger.

A partir dos apps que estejam disponíveis para receber atendimentos, escolha uma opção de chatbot que atenda às plataformas desejadas para operar atendimentos de maneira fácil e descomplicada.

3. Escolha uma plataforma que ajude no gerenciamento do bot

Além de escolher os aplicativos onde deseja receber interações, é necessário escolher uma plataforma que ajudará na operação do chatbot.

Todavia, o WhatsApp oferece a opção Business, onde pequenos e médios negócios conseguem automatizar atendimentos e facilitar as respostas na plataforma.

Por outro lado, existem empresas que oferecem soluções em chatbots e inteligências artificiais para manter o relacionamento com clientes. Geralmente, os custos são maiores, mas as companhias oferecem programas completos, com APIs para gerenciar o atendimento.

4. Determine o fluxo e as interações do chatbot

Assim que escolher o aplicativo e a plataforma para gerenciar o chatbot, os advogados devem criar o fluxo de resposta para interagir com o público.

Nesta etapa, os profissionais ou o escritório devem considerar os atendimentos e os serviços oferecidos. Por isso, crie menus que atendam às demandas dos potenciais clientes e operem atendimentos iniciais.

Vale lembrar que o uso dos chatbots no marketing jurídico é indicado para as primeiras dúvidas do público. Então, é necessário que os advogados assumam o atendimento em caso de dúvidas específicas.

Um dos objetivos para implementar os chatbots está na possibilidade de humanizar os atendimentos. Nesse sentido, os advogados devem considerar a persona do escritório para criar as mensagens disparadas pela solução.

Esse hábito contribui para a padronização do tom de comunicação do escritório, incluindo os canais de comunicação. Além disso, procure respeitar os critérios de sobriedade e discrição da advocacia nas interações.

5. Observe o funcionamento da plataforma

Após a implementação do chatbot, os advogados precisam acompanhar o desempenho da plataforma. Em alguns casos, é necessário aplicar mudanças para melhorar a interação com o chat automatizado.

Vale ressaltar que, para uma melhor experiência, os contatos recebidos precisam ser gerenciados pelos advogados de forma regular. Algumas solicitações e dúvidas, por exemplo, acabam necessitando de uma resposta com maior atenção.

Em caso de problemas com a plataforma ou no disparo de respostas, não deixe de avisar o seu público pelas redes sociais ou no site jurídico. Desse modo, o público buscará ajuda em outros canais oferecidos pelo escritório.

Fale com o público do escritório pelo site jurídico!

Os advogados podem sincronizar um chatbot ao WhatsApp e sincronizar o número ao site jurídico. Desse modo, os potenciais clientes podem entrar em contato de forma fácil para esclarecer dúvidas.

Na plataforma da Justamente, os advogados conseguem criar um site jurídico e sincronizar um botão para que os clientes entrem em contato pelo WhatsApp. Assim, os interessados vão chegar até o chatbot.

Para começar, faça um cadastro com e-mail e senha. Em seguida, informe dados sobre o escritório, como números de contato. Por último, escolha um tema e cores para o site. Veja o processo completo.

Caso queira aprimorar ainda mais o site jurídico, a Justamente oferece o plano JusPremium. Com ele, os advogados conseguem publicar artigos ilimitados, sincronizar o site com serviços do Google, entre outros benefícios. Conheça!

Em caso de dúvidas sobre a criação do site jurídico com a Justamente, entre em contato conosco pelo WhatsApp, (11) 95647-8227, ou escreva para [email protected]

Veja também!